segunda-feira, 25 de maio de 2015

FUTSAL | MFC na posição de melhor açoriano

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | 25.05.2015

FUTSAL


MFC na posição
de melhor açoriano

A sétima (última) ronda do Campeonato Nacional da Segunda Divisão de Futsal - Série "E" - II Fase (manutenção/descida) apresentou os seguintes resultados:
UP Venda Nova 4 - Atlético 3
AMSAC 6 - Posto Santo 2
Tires Futsal 1 - Matraquilhos 1
Sassoeiros 8 - Leceia 2

Matraquilhos garante estatuto de melhor equipa açoriana em prova.

Classificação final: 1.º AMSAC 31 pontos, 2.º Tires 28, 3.º UP Venda Nova 27, 4.º Atlético 27, 5.º Matraquilhos 23, 6.º Posto Santo 15, 7.º Sassoeiros 12 e 8.º Leceia 5.

Por outro lado, conferimos os desfechos da 17.ª jornada do Campeonato da Ilha Terceira de Futsal, escalão de seniores masculinos:Porto Judeu 3 - Doze Ribeiras 1, Ladeira Grande 3 - Agualva 4, São Carlos 5 - União Praiense 3, São Brás 6 - São Sebastião 2 e Lusitânia 4 - União Sebastianense 0.
Classificação atual:1.º Porto Judeu 45 pontos (virtual campeão), 2.º São Brás 37, 3.º São Carlos 32, 4.º Lusitânia 29, 5.º Agualva 26, 6.º União Praiense 21, 7.º São Sebastião 20, 8.º Doze Ribeiras 15, 9.º Ladeira Grande 14, 10.º União Sebastianense 3.

"Matraquilhos FC já tem nova casa"

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | 25.05.2015

SEDE É TIDA COMO FUNDAMENTAL PARA O FUTURO DA COLETIVIDADE DA TERRA CHÃ


Matraquilhos FC
já tem nova casa


 NOVA SEDE. Matraquilhos Futebol Clube pretende impulsionar a componente social da coletividade

Nova sede, situada nas instalações da UAç, na Terra Chã, era sonho antigo do Matraquilhos. Presidente Paulo Vieira fala em "passo em frente".
O Matraquilhos Futebol Clube (MFC) já tem nova sede. Depois de ter funcionado numa garagem ao longo dos últimos meses, a coletividade "muda-se de malas e bagagens" para um espaço junto às instalações da Universidade dos Açores, na Terra Chã. Recorde-se que o MFC chegou a estar instalado no edifício dos escoteiros, na Canada de Belém.

De acordo com Paulo Vieira, presidente do MFC, os alertas deixados na comunicação social foram decisivos. "Expusemos o nosso caso publicamente e as entidades oficiais foram sensíveis aos nossos argumentos. Na realidade, estar a funcionar numa garagem começava a ser insustentável a vários níveis", foca o responsável.

Paulo Vieira destaca "o entendimento" que existiu entre diversas entidades: "Esta nova sede só foi possível graças ao apoio da Câmara Municipal de Angra, através do vereador Guido Teles e do presidente Álamo Meneses, e à colaboração da Junta de Freguesia da Terra Chã, liderada por Rómulo Correia. Este espaço acabou por surgir através da Secretaria das Obras Públicas".

MELHOR FUTURO

A nova sede exigiu, também, um "esforço importante" por parte de várias pessoas que colaboraram com o MFC. "Não posso esquecer a participação de várias pessoas nos arranjos, limpeza e decoração deste espaço. António Santos e seus pintores, Filipe Perdigão, José Marques, Mauro Freitas, João Inácio, Carlos Rui, Conceição Vieira, Andreia Vieira, Emiliana Santos, Natália Perdigão, Paula Marques, Paula Vieira, Cláudia Silva, entre outros, foram peças fundamentais na concretização deste sonho", destaca o presidente do clube.

Paulo Vieira reforça que a nova casa do MFC vai permitir um maior desenvolvimento da coletividade, não só no que toca à organização do setor desportivo, mas especialmente no que se refere à componente social, área que, segundo o líder da direção matraquilhense, o clube pretende incrementar.

"Passamos a poder reunir toda a família matraquilhense, desde sócios a atletas, mas também toda a comunidade da Terra Chã nos eventos que pretendemos organizar. Aliás, a componente social, que consideramos de elevada importância, vai certamente sair reforçada. Estamos inseridos numa zona em que este trabalho é, quanto a nós, decisivo", conclui Paulo Vieira.

 ESPAÇO reúne diversas valências


segunda-feira, 18 de maio de 2015

"Três goleadas dão direito a permanência"

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | 18.MAI.2015

MATRAQUILHOS VENCE SASSOEIROS (6-0) E GARANTE PRINCIPAL OBJETIVO DA ÉPOCA


Três goleadas dão
direito a permanência


 MATRAQUILHOS não sentiu grandes dificuldades na receção ao Sassoeiros


Matraquilhos sempre no comando do jogo, frente a um Sassoeiros com poucos argumentos. Terceira goleada consecutiva garante manutenção.
LUÍS ALMEIDA |di
Matraquilhos dono e senhor da partida desde o primeiro toque de bola. Frente ao penúltimo classificado da Série E, a formação de Nuno Vieira cedo demonstrou a ambição atacante necessária para começar a garantir a manutenção na 2.ª Divisão de Futsal. Os primeiros lances falharam o golo por pouco e Carlos Rui ainda enviou a redondinha ao poste.

Foi a antestreia para a festa que rebentou nos pés de Zé Domingues. Os terceirenses chegaram à vantagem ao minuto sete, deixando a equipa mais tranquila para gerir os ritmos de jogo. O Matraquilhos trocava a bola no campo todo e revelava melhores processos nas transições, quer na organização ofensiva, quer na recuperação.

O Sassoeiros tinha pouco espaço e pouco futsal para mostrar. Os continentais espevitaram após o golo, primeiro com um remate de João Rodrigues, depois com uma tentativa frustrada de David Rosa (desta feita, o poste foi um aliado para Nuno Cardoso).

Sempre mais Matraquilhos e o 2-0 aos 13 minutos. A insistência de Tiago Poim valeu a segunda explosão de alegria na Tomás de Borba, com os insulares a materializarem em golos a supremacia dentro de campo. O 3-0 com que se atingiu o intervalo surge com alguma sorte: combinação entre Tiago Poim e Diego, mas foi João Rodrigues a empurrar para a própria baliza.

Ainda antes do descanso, o Sassoeiros dispôs de uma grande-penalidade para tentar incutir alguma incerteza no resultado, mas nem mesmo à segunda Paulo Dona foi dono do golo. Mais uma vez, o poste foi amigo do conjunto da casa, talvez como que apelando à justiça dos números expressos no marcador.

GERIR E AMPLIAR

O Matraquilhos vinha de dois triunfos fora de portas (8-1 ao Posto Santo e 6-1 ao Leceia) e entrava para a segunda-parte com a terceira vitória consecutiva quase confirmada. O reinício até foi menos emocionante no que toca a oportunidades de golo, com o primeiro lance, aliás, a pertencer ao Sassoeiros, após perda de bola de Fábio Raposo.

A partida voltou a animar quando Carlos Rui roubou a bola a um adversário, esperou pela colocação do guardião Rui Santos e rematou com a calma necessária para o 4-0. O Sassoeiros ainda adiantou o guarda-redes à meia hora de jogo, momentos depois de Tiago Poim bisar para a mão cheia de golos. É evidente que o jogo ficava mais do que decidido, o que também origina algumas perdas de concentração.

O Matraquilhos passou a assumir uma toada de gestão, embora das bancadas a claque pedisse "mais um". E a equipa correspondeu. O 6-0 surgiu mesmo e de baliza a baliza: golo para o guarda-redes Nuno Cardoso. No final aconteceu a festa da permanência, mesmo que a confirmação final tinha demorado alguns minutos a chegar.

Jogo fácil de dirigir para a arbitragem, que teve condições para passar mais despercebida. Ainda assim, trabalho sem influência no normal desenrolar do jogo.

SEGUNDA DIVISÃO - 6.ª JORNADA

Pavilhão da Escola Tomás de Borba
Árbitros:Cláudio Santos e Bruno Pinto (AFLeiria).
Cronometrista: Bruno Pereira (AFAH).

Ao intervalo:
3-0

Matraquilhos 6Nuno Cardoso (cap.)
Diego
Tércio Perdigão
Carlos Rui
Tiago Poim

SUPLENTES
Ricardo Martins, Dárcio, Laurindo, Duarte Raposo, Zé Domingues, Fábio Raposo, Libânio e Paulo Ourique.

TREINADOR
Nuno Vieira.

Sassoeiros 0João Gomes
Paulo Dona
Ricardo Pires (cap.)
David Rosa
Ricardinho

SUPLENTES
João Rodrigues, João Telhado, Rui Santos e Gonçalo Viegas.

TREINADOR
Tiago Guelho.

Disciplina:cartão amarelo para Paulo Ourique (16m), Nuno Cardoso (18m) e Dárcio (33m).

Marcadores: Zé Domingues (7m), Tiago Poim (13 e 30m), João Rodrigues (18m, pb), Carlos Rui (27m) e Nuno Cardoso (39m).

segunda-feira, 20 de abril de 2015

"Na tela de Tiago Poim há pintura de goleada"

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | Luís Almeida | Fotografia Pedro Alves

MATRAQUILHOS (8-1) NÃO DEU QUALQUER HIPÓTESE AO POSTO SANTO


Na tela de Tiago Poim
há pintura de goleada


 TIAGO POIM foi a figura da tarde na histórica goleada do Matraquilhos ao Posto Santo

Show de Tiago Poim e domínio absoluto do Matraquilhos. Posto Santo sem a mínima capacidade de resposta. Resultado pesado, mas justíssimo.
LUÍS ALMEIDA |di

Furadas as expectativas de um embate renhido. Culpa do Matraquilhos, que estendeu domínio total do segundo ao último minuto. Culpa também de Tiago Poim, que desenhou uma exibição de gala e deu espetáculo. E responsabilidades igualmente do... Posto Santo, que nunca foi capaz de responder. Mas o mérito desta goleada é absolutamente incontestável.

Menos desconfortável na classificação, até foi a equipa de Duarte Melo a parecer mais confortável no arranque da partida. O Matraquilhos, nos primeiros dois minutos, limitou-se a perder bolas, revelando algum nervosismo. Até que Poim inaugurou os remates e o cenário mudou em definitivo.

O Matraquilhos sucedia nas ocasiões de perigo, com Tiago Poim a dar "um show de bola". Chegou ao golo logo ao minuto cinco, depois de três lances bem urdidos coletivamente. O Posto Santo apenas respondeu num remate denunciado de Mário, ele que seria expulso ao minuto 18, depois de ver um amarelo, supostamente por palavras.

Um pouco antes, Tiago Poim (sempre ele) voltou a fazer das suas e, em dois lances, quase ampliava. No segundo, a recarga de Carlos Rui passou a centímetros da festa. Já em vantagem numérica, os pupilos de Nuno Vieira aproveitaram para consumar o 2-0 com que se atingiu o intervalo. Ora adivinhem de quem foi o golo? Tiago Poim, pois claro, o homem do jogo!

GOLEADA

A segunda parte não mudou nada e, inclusive, aprofundou o domínio do Matraquilhos, que abriu com mais duas excelentes situações para marcar. Tempo para hat-trick: terceiro golo de Tiago Poim, logo ao minuto dois do segundo-tempo.

O Posto Santo entrou em "modo descalabro". Patareco viu o vermelho direto aos 25 minutos e Diego chegou ao 4-0 logo depois. Seguiu-se a goleada, por esta ordem: Laurindo, Carlos Rui, Paulo Ourique e novamente Carlos Rui, a cravar uns pesados 8-0 no resultado.

O veterano Toni ainda teve tempo para consumar o golo de honra, mas é pouco, muito pouco, para este Posto Santo, que vinha realizando uma segunda fase muito boa, já com duas vitórias somadas. Acontece que a equipa em momento algum foi capaz de evitar a derrota e, depois do 4-0, tornou-se presa demasiado fácil.

Muito mérito do Matraquilhos. A turma da Terra Chã foi simplesmente melhor tática e coletivamente e isto permitiu capacidade para lidar com a intensidade e as emoções do jogo. Já no aspeto individual, Tiago Poim fez toda a diferença. Pavilhão praticamente cheio e uma palavra especial para a claque do Matraquilhos: é que, justiça seja feita, nunca se calou!

Do ponto de vista técnico, trabalho sem muitos reparos para a arbitragem. Na disciplina, aceitam-se os dois vermelhos diretos: o primeiro terá sido por palavras; já Patareco tem uma entrada grosseira, sem bola, quando o adversário seguia em contra-ataque e em excelentes condições para criar perigo.

SEGUNDA DIVISÃO - 4.ª JORNADA
Pavilhão da Escola de S. Sebastião
Árbitros: Pedro Oliveira e Pedro Lopes (AF Évora).
Cronometrista: Marco Carvalho (AFAH).

Ao intervalo:

0-2

Posto Santo 1

Jorge Borges (cap.)
Márcio
Tó Zé
Dimas
Patareco

SUPLENTES
Tiago Araújo, Nelson Silva, Toni, Godinho, Tanaca e Mário.

TREINADOR
Duarte Melo.

Matraquilhos 8

Nuno Cardoso (cap.)
Dárcio
Tércio Perdigão
Tiago Poim
Fábio Raposo

SUPLENTES
Laurindo, Diego, Duarte Raposo, Zé Domingues, Carlos Rui, Ricardo, Libânio, Luís Leite e Paulo Ourique.

TREINADOR
Nuno Vieira.

Disciplina: cartão amarelo para Mário (18m) e Márcio (29m); Dárcio (19m), Duarte (28m), Zé Domingues (29m) e Libânio (39m). Cartão vermelho direto para Mário (18m) e Patareco (25m).
Marcadores: Toni (35m); Tiago Poim (5m, 18m e 23m), Diego (26m), Laurindo (29m), Carlos Rui (32m e 33m) e Paulo Ourique (33m).