segunda-feira, 20 de abril de 2015

"Na tela de Tiago Poim há pintura de goleada"

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | Luís Almeida | Fotografia Pedro Alves

MATRAQUILHOS (8-1) NÃO DEU QUALQUER HIPÓTESE AO POSTO SANTO


Na tela de Tiago Poim
há pintura de goleada


 TIAGO POIM foi a figura da tarde na histórica goleada do Matraquilhos ao Posto Santo

Show de Tiago Poim e domínio absoluto do Matraquilhos. Posto Santo sem a mínima capacidade de resposta. Resultado pesado, mas justíssimo.
LUÍS ALMEIDA |di

Furadas as expectativas de um embate renhido. Culpa do Matraquilhos, que estendeu domínio total do segundo ao último minuto. Culpa também de Tiago Poim, que desenhou uma exibição de gala e deu espetáculo. E responsabilidades igualmente do... Posto Santo, que nunca foi capaz de responder. Mas o mérito desta goleada é absolutamente incontestável.

Menos desconfortável na classificação, até foi a equipa de Duarte Melo a parecer mais confortável no arranque da partida. O Matraquilhos, nos primeiros dois minutos, limitou-se a perder bolas, revelando algum nervosismo. Até que Poim inaugurou os remates e o cenário mudou em definitivo.

O Matraquilhos sucedia nas ocasiões de perigo, com Tiago Poim a dar "um show de bola". Chegou ao golo logo ao minuto cinco, depois de três lances bem urdidos coletivamente. O Posto Santo apenas respondeu num remate denunciado de Mário, ele que seria expulso ao minuto 18, depois de ver um amarelo, supostamente por palavras.

Um pouco antes, Tiago Poim (sempre ele) voltou a fazer das suas e, em dois lances, quase ampliava. No segundo, a recarga de Carlos Rui passou a centímetros da festa. Já em vantagem numérica, os pupilos de Nuno Vieira aproveitaram para consumar o 2-0 com que se atingiu o intervalo. Ora adivinhem de quem foi o golo? Tiago Poim, pois claro, o homem do jogo!

GOLEADA

A segunda parte não mudou nada e, inclusive, aprofundou o domínio do Matraquilhos, que abriu com mais duas excelentes situações para marcar. Tempo para hat-trick: terceiro golo de Tiago Poim, logo ao minuto dois do segundo-tempo.

O Posto Santo entrou em "modo descalabro". Patareco viu o vermelho direto aos 25 minutos e Diego chegou ao 4-0 logo depois. Seguiu-se a goleada, por esta ordem: Laurindo, Carlos Rui, Paulo Ourique e novamente Carlos Rui, a cravar uns pesados 8-0 no resultado.

O veterano Toni ainda teve tempo para consumar o golo de honra, mas é pouco, muito pouco, para este Posto Santo, que vinha realizando uma segunda fase muito boa, já com duas vitórias somadas. Acontece que a equipa em momento algum foi capaz de evitar a derrota e, depois do 4-0, tornou-se presa demasiado fácil.

Muito mérito do Matraquilhos. A turma da Terra Chã foi simplesmente melhor tática e coletivamente e isto permitiu capacidade para lidar com a intensidade e as emoções do jogo. Já no aspeto individual, Tiago Poim fez toda a diferença. Pavilhão praticamente cheio e uma palavra especial para a claque do Matraquilhos: é que, justiça seja feita, nunca se calou!

Do ponto de vista técnico, trabalho sem muitos reparos para a arbitragem. Na disciplina, aceitam-se os dois vermelhos diretos: o primeiro terá sido por palavras; já Patareco tem uma entrada grosseira, sem bola, quando o adversário seguia em contra-ataque e em excelentes condições para criar perigo.

SEGUNDA DIVISÃO - 4.ª JORNADA
Pavilhão da Escola de S. Sebastião
Árbitros: Pedro Oliveira e Pedro Lopes (AF Évora).
Cronometrista: Marco Carvalho (AFAH).

Ao intervalo:

0-2

Posto Santo 1

Jorge Borges (cap.)
Márcio
Tó Zé
Dimas
Patareco

SUPLENTES
Tiago Araújo, Nelson Silva, Toni, Godinho, Tanaca e Mário.

TREINADOR
Duarte Melo.

Matraquilhos 8

Nuno Cardoso (cap.)
Dárcio
Tércio Perdigão
Tiago Poim
Fábio Raposo

SUPLENTES
Laurindo, Diego, Duarte Raposo, Zé Domingues, Carlos Rui, Ricardo, Libânio, Luís Leite e Paulo Ourique.

TREINADOR
Nuno Vieira.

Disciplina: cartão amarelo para Mário (18m) e Márcio (29m); Dárcio (19m), Duarte (28m), Zé Domingues (29m) e Libânio (39m). Cartão vermelho direto para Mário (18m) e Patareco (25m).
Marcadores: Toni (35m); Tiago Poim (5m, 18m e 23m), Diego (26m), Laurindo (29m), Carlos Rui (32m e 33m) e Paulo Ourique (33m).

terça-feira, 14 de abril de 2015

MATRAQUILHOS FC não foi além de um nulo (0-0) na receção ao Atlético

MATRAQUILHOS EMPATA COM O ATLÉTICO E COMPLICA CONTAS DA PERMANÊNCIA


Locais mereciam 
melhor sorte


 MATRAQUILHOS FC não foi além de um nulo (0-0) na receção ao Atlético


Equipa da Terra Chã pecou na finalização, o que lhe custou dois (preciosos) pontos. Sábado há dérbi com o Posto Santo.
CARLOS DO CARMO |di




Um empate a zero foi o resultado de um jogo no qual houve ocasiões de golo, misturados com alguns períodos de mau futsal, sobretudo a meio da primeira parte, onde a bola foi muito mal tratada.

Começaram melhor os locais com boas combinações entre Poim (o mais inconformado dos visitados) e Laurindo, que baralhavam o último reduto dos lisboetas. Contudo, a pontaria não era das melhores e os visitantes foram equilibrando a balança, graças a um fio de jogo em que predominavam os passes longos e desmarcações para as costas da defensiva local.

Num desses passes, Pedro Coelho apareceu em posição privilegiada, mas preferiu servir o colega João que, já acossado pela defesa anfitriã, acabou por perder a bola. Ambos os guarda-redes brilhavam nas respetivas balizas e nem mesmo as constantes mexidas que os treinadores fizeram no cinco base alternaram o rumo dos acontecimentos, pois as equipas encaixavam a preceito uma na outra.

Quase no final da primeira-parte, e depois de oito minutos sem grande interesse, os continentais podiam ter marcado por duas vezes, não fossem as brilhantes intervenções do guarda-redes Nuno, sobretudo quando defendeu um livro de sete metros em ótimo estilo.
A etapa complementar iniciou-se novamente com os da casa a tentarem alcançar o almejado golo, mas a turma lisboeta defendia-se bem e respondia a propósito, nem que fosse necessário o guarda-redes Pinóquio executar arrojadas saídas da sua área, para ir tentar a sorte na baliza contrária. Numa dessas saídas, ia pagando caro a perda de bola, mas foi bem auxiliado pelos colegas. O equilíbrio voltou a ser a nota dominante, apesar do sinal mais pertencer sempre à turma de Nuno Vieira.

O Matraquilhos, num curto espaço de tempo, e sempre apoiado pelo público, teve duas jogadas bem conseguidas pelo corredor direito, mas em ambas faltou alguém em frente à baliza para dar o toque final, perante o desespero que vinha das bancadas. A pressão dos angrenses nos últimos minutos foi infrutífera, apesar de terem lançado Fábio como guarda-redes mais adiantado.

Em suma, o empate penaliza a ineficácia dos insulares e premeia o calculismo do opositor.

PONTO DA SITUAÇÃO

A terceira ronda do Campeonato Nacional da Segunda Divisão de Futsal Masculino - Série "E" - Segunda Fase (Manutenção) apresentou os seguintes desfechos:

Tires Futsal 2 - AMSAC 3
Matraquilhos 0 - Atlético 0
Sassoeiros 2 - UP Venda Nova 3
Unidos Leceia 1 - Posto Santo 3.

Quadro da classificação geral (todas as equipas com três jogos efetuados):
1.º AMSAC 25 pontos,
2.º Tires Futsal 21,
3.º Atlético 21,
4.º UP Venda Nova 18,
5.º Posto Santo 15,
6.º Matraquilhos 13,
7.º Sassoeiros 6,
8.º Unidos Leceia 2.

A quarta jornada acontece sábado, dia 18, e reúne os prélios
Atlético - Sassoeiros
Posto Santo - Matraquilhos
AMSAC - Unidos Leceia
UP Venda Nova - Tires Futsal.

2.ª DIVISÃO/2.ª FASE - 3.ª JORNADA

Complexo Desportivo Tomás de Borba

Árbitros: Marco Marino e Armando Veríssimo (AF Setúbal).

Cronometrista: José Silveira (AF Angra do Heroísmo).

Ao intervalo:

0-0

Matraquilhos 0

Nuno (cap.)
Laurindo
Dárcio
Diego
Poim

SUPLENTES

Ricardo, Duarte, Tércio, Carlos Rui, Fábio, Libânio, Diogo e Paulo Ourique.

TREINADOR
Nuno Vieira.

Atlético 0

Pinóquio
Pedro Coelho
João Campos
Daniel Santos
João Coelho

SUPLENTES

Tiago, Filipe Pinto (cap.), Bruno Almeida, Pacheco, Nélson Paiva e Rogério Gomes.

TREINADOR
Michael Santos.

Disciplina: cartão amarelo para Laurindo, Tércio, Libânio (Matraquilhos); Pinóquio, João Campos e Pacheco (Atlético).

Marcadores: não houve.

segunda-feira, 23 de março de 2015

"Empate tirado a ferros na Tomás de Borba"

FONTE: dIÁRIO INSULAR | DESPORTO | FUTSAL | DANIEL COSTA | 23.mar.2015

MATRAQUILHOS PERDIA POR 2-5 COM O AMSAC A DOIS MINUTOS DO APITO FINAL

Empate tirado a ferros na Tomás de Borba


 MATRAQUILHOS demonstrou enorme capacidade de sofrimento ante o AMSAC

Grande demonstração de vontade e abnegação da equipa da Terra Chã que, a dois minutos do fim, perdia pela diferença de três golos.
DANIEL COSTA | di
O Matraquilhos levou um golo a frio logo no início da partida, o que o obrigou a correr atrás do prejuízo desde muito cedo. De facto, um momento de alguma desconcentração inicial custou caro com a obtenção do primeiro golo dos continentais. Ainda um pouco atordoado, o Matraquilhos encaixou pouco depois o segundo, aumentando o fosso a nível de resultado.

Só que a turma da Terra Chã conseguiu reduzir de imediato, por Zé Domingos, ganhado novo fôlego e, sobretudo, maior confiança. Porém, quando estava a reagir de forma consistente, um lance fortuito permitiu ao adversário colocar-se novamente com uma diferença de duas bolas, situação de pronto alterada com um golo de Dárcio Sousa.

Na execução de um livre, o guardião forasteiro, por infringir as leis de jogo, acaba expulso, o mesmo sucedendo pouco depois a Mingo. Com dois minutos para jogar com um elemento a mais, o Matraquilhos pressionou alto, apontou baterias à baliza defendida agora por Luís Pina, mas este, com um punhado de excelentes intervenções, inviabilizou os intentos dos terceirenses em chegarem à igualdade.

Com o escoar dos dois minutos o adversário ficou de novo em igualdade numérica e com isso o prélio tornou-se mais equilibrado, mas sobretudo serenou muito mais, após o período quente em que resultaram as duas expulsões e a vantagem numérica da equipa da casa.

Entrando-se na reta final a primeira parte, o duelo decresceu de intensidade, tornou-se mais desgarrado e por vezes nem sempre bem interpretado, atingindo-se o intervalo com a vantagem mínima dos continentais e com tudo em aberto para o segundo tempo.

O Matraquilhos entrou muito forte e determinado na etapa complementar, pressionando alto e, com isso, inviabilizou espaços aos forasteiros, que agora eram uma equipa mais preocupada em não sofrer golos do que propriamente em ir à procura de engordar o marcador.

Assistia-se a uma demonstração de vontade e de força dos terceirenses, mas lá está, bem arrumadinhos lá atrás e atuando no erro do adversário, a matreirice dos visitantes acabaria por dar frutos, através de um lance infeliz de Tércio, em que o atacante Milton tirou partido para finalizar com êxito.

Aumentado de novo o fosso, os anfitriões procuraram outra vez encurtar o mesmo, só que era evidente já algum descrédito, traduzido num crescendo aumento das ações individuais em detrimento do coletivo.

Contudo, até ao final assistiu-se a um enorme querer da equipa da casa em busca de algo mais, embora nem sempre com a melhor clarividência e opções ao nível do passe. Todavia, o conjunto foi valente e lutou até à exaustão na procura dos seus intentos.

E o melhor estava mesmo para vir, numa ponta final frenética, pois, quando a equipa perdia pela diferença de três bolas, ainda conseguiu forças para chegar à igualdade, graças a um golo de Fábio Raposo e a dois de Tiago Poim no último minuto do jogo. O do empate, inclusive, a apenas dois segundos do fim, para grande manifestação de alegria da dedicada massa associativa.

Arbitragem: sem atingir um nível elevado, esteve, contudo, num plano razoável.

2.ª DIVISÃO - 1.ª JORNADA (2.ª FASE)
Complexo Desportivo Tomás de Borba

Árbitros: Toni Pereira e Luís Oliveira (AF Santarém).

Cronometrista: Duarte Mourão (AFAH).

Ao intervalo:

2-3

Matraquilhos 5

Nuno Cardoso (cap.)
Tércio
Carlos Rui
Tiago Poim
Nelson Laranjo

SUPLENTES
Zé Freitas, Dárcio Sousa, Laurindo, Diego Aguiar, Duarte Raposo, Zé Domingos, Fábio Raposo, Libânio e Diogo Pereira.

TREINADOR
Nuno Vieira.

AMSAC 5

Tiago Peres
Sérgio Paiva
Eduardo Santos
Filipe Nuno
Mingo

SUPLENTES
Luís Pina (cap.), Alex Fernandes, Milton, Daniel Sousa e Ivo Vaz.

TREINADOR
Pedro Nunes.

Disciplina: cartão amarelo para Tiago Peres (9m), Sérgio Paiva (22m), Fábio Raposo (39m) e Libânio (39m). Cartão vermelho para Tiago Peres (8m), Mingo (9m) e Tiago Poim (33m).

Marcadores: Mingo (2m), Filipe Nuno (5m), Zé Domingos (7m), Eduardo Santos (8m), Dárcio Sousa (9m), Milton (25m), Filipe Nuno (38m), Fábio Raposo (38m) e Tiago Poim (39 e 39m).

segunda-feira, 9 de março de 2015

"POSTO SANTO E MATRAQUILHOS EMPATAM (2-2) EM JOGO INTENSO E VIBRANTE"

Diário Insular | Desporto | Futsal | Mateus Rocha | 9.MAR.15

POSTO SANTO E MATRAQUILHOS EMPATAM (2-2) EM JOGO INTENSO E VIBRANTE


O que sobrou em coração 
faltou (às vezes) em lucidez


 EQUILÍBRIO. Posto Santo e Matraquilhos dividiram os pontos em São Sebastião



Posto Santo foi (bem) melhor na primeira-parte. Matraquilhos equilibrou na segunda. Manutenção decide-se na segunda fase.
MATEUS ROCHA | di

Rasgadinho e intenso... mas leal. Assim se pode resumir o aguardado prélio entre Posto Santo e Matraquilhos, representantes da AFAH na Segunda Divisão Nacional de Futsal. Um duelo 100% terceirense, já que a equipa de arbitragem também era da ilha.

Posto Santo e Matraquilhos procuraram pressionar alto desde o início, só que foi a turma de Duarte Melo a entrar melhor, inclusive, a desperdiçar excelentes ocasiões para inaugurar o marcador. O modo como conseguia fugir às marcações contrárias era o segredo do domínio do Posto Santo, perante um rival que sentia sérias dificuldades nas transições ofensivas.

Porém, contra a corrente do jogo, o Matraquilhos chegou à vantagem, com Fábio Raposo a transformar uma grande-penalidade indiscutível. Delírio natural entre a incansável claque da Terra Chã. O Posto Santo não desmoralizou e, pouco depois, Toni restabeleceu o empate, dando (alguma) justiça ao placard.

Curiosamente, quando o Matraquilhos parecia entrar mais determinado no período complementar, é Nelsinho a dar vantagem aos visitados. A peleja aumentou de intensidade, criando-se várias situações de ataque/contra-ataque, afinal de contas, o lema da modalidade.

Havia imenso coração, mas, aqui e ali, notava-se ausência de lucidez nas ações - quiçá, fruto da salutar rivalidade entre ambos os emblemas e da importância dos pontos.

Com o Posto Santo limitado pela quinta falta a meio da etapa complementar, o Matraquilhos - para mais em desvantagem no marcador - subiu as linhas de pressão, só que, passados quatro minutos, os pupilos de Nuno Vieira ficaram igualmente barrados neste capítulo. 

Com uma bola nos postes para cada lado e com ensejos nas duas balizas, sentia-se que tudo se poderia resolver na marcação de livres diretos. Todavia, na única oportunidade para tal (sexta falta do Posto Santo), a 40 segundos do fim, Fábio Raposo atirou ao lado.

Conquanto a segunda metade se tenha revelado mais complicada do que a primeira, trabalho globalmente positivo da equipa de arbitragem, pese as dúvidas em relação ao lado da marcação do canto do qual resultou o segundo golo do Posto Santo.
 
RESULTADOS

A 18.ª jornada do Campeonato Nacional da Segunda Divisão de Futsal Masculino - Série "E" apresentou os seguintes desfechos:
Atlético 5 - Sassoeiros 2
Posto Santo 2 - Matraquilhos 2
AMSAC 2 - UP Venda Nova 2
Tires Futsal 7 - Unidos Leceia 0
Os Vinhais 0 - Portela 5.

Classificação final da primeira fase (todas as equipas com 18 jogos concretizados):
1.º Portela 46 pontos
2.º Os Vinhais 40
3.º AMSAC 35
4.º Tires Futsal 29
5.º Atlético 28
6.º UP Venda Nova 23
7.º Matraquilhos 22 (6V4E8D, 43-60 em golos)
8.º Posto Santo 17 (5V2E11D, 52-82 em golos)
9.º Sassoeiros 12
10.º Unidos Leceia 3.

Os dois primeiros classificados (Portela e Os Vinhais) disputam o play-off de promoção à Primeira Divisão. Os restantes oito integram o play-off de permanência/despromoção, sendo que, neste caso, as equipas partem com 50% dos pontos averbados na primeira fase. Sorteio quinta-feira (14:00) e começo da segunda fase a 21 de março.

SEGUNDA DIVISÃO - 18.ª JORNADA

Complexo Desportivo Francisco Ferreira Drummond

Árbitros: Marco Carvalho (1.º) e Duarte Mourão (2.º) (AFAH).

Cronometrista: Artur Rodrigues (AFAH).

Ao intervalo:

1-1

Posto Santo 2
Jorge Borges
Nelsinho
Dimas Cardoso
Tanaka
Patareco

SUPLENTES
Rui Godinho (cap.), Márcio Mendes, Tozé, Juca, Toni, Godinho e Mário Jorge.

TREINADOR
Duarte Melo.

Matraquilhos 2
Nuno Cardoso (cap.)
Tércio
Carlos Rui
Tiago Poim
Nelson Laranjo

SUPLENTES
Pedro Cardoso, Dárcio, Laurindo, Duarte, Zé Bertão, Fábio Raposo, Diogo Pereira, Paulo Ourique e Hugo Narciso.

TREINADOR
Nuno Vieira.

Disciplina: cartão amarelo para Mário Jorge, Patareco, Jorge Borges; Carlos Rui e Fábio Raposo.
Marcadores: Toni (15m), Nelsinho (22m); Fábio Raposo (12m, g.p.) e Nelson Laranjo (33m).