segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

"O campeão voltou!"

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | 20.02.2017



SÉRIE AÇORES DE FUTSAL MASCULINO


Matraquilhos FC antecipa 
Carnaval na ilha das Flores


 MATRAQUILHOS festejou conquista da Série Açores na visita ao Fazendense


Série Açores: Matraquilhos virtual campeão. Campeonato de ilha: Lusitânia reforça comando. Primeira Divisão Feminina: Golpilheira bate Posto Santo.






O Matraquilhos garantiu sábado, a uma jornada do fim, a conquista da Série Açores do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão de Futsal Masculino. A equipa orientada por Nuno Vieira bateu, nas Flores, o Fazendense, por 6-2, e beneficiou ainda da derrota do Norte Crescente, por 3-2, na visita ao reduto do Atalhada.

Na segunda fase, o emblema da Terra Chã disputa o acesso à 1.ª Divisão com os vencedores das restantes zonas, ao passo que Norte Crescente, Fazendense, Atalhada, Casa da Ribeira, Boavista de São Mateus, Ginetes e Posto Santo procuram garantir a permanência.

Desfechos da 13.ª ronda: Ginetes 3 - Boavista de São Mateus 2, Fazendense 2 - Matraquilhos 6, Posto Santo 6 - Casa da Ribeira 6 e Atalhada 3 - Norte Crescente 2.

Classificação (todas as equipas com 13 jogos): 1.º Matraquilhos 34 pontos, 2.º Norte Crescente 28, 3.º Fazendense 21, 4.º Atalhada 18, 5.º Casa da Ribeira 18, 6.º Boavista de São Mateus 14, 7.º Ginetes 8, 8.º Posto Santo 7.

A 14.ª jornada, última da primeira fase, está apontada para sábado (15:00) e comporta os duelos Norte Crescente - Ginetes, Boavista de São Mateus - Fazendense, Matraquilhos - Posto Santo e Casa da Ribeira - Atalhada.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

"Matraquilhos FC reforça primeiro lugar"

SÉRIE AÇORES DE FUTSAL MASCULINO


Matraquilhos FC 
reforça primeiro lugar


 MATRAQUILHOS muito perto de garantir lugar no grupo que vai discutir a subida de divisão

Matraquilhos vence Ginetes (4-0) e Norte Crescente empata. Campeonato de ilha: Lusitânia mais líder. 1.ª Divisão Feminina: Posto Santo goleado.
A 12.ª jornada do Campeonato Nacional da Segunda Divisão de Futsal Masculino - Série Açores apresentou os seguintes resultados:
Matraquilhos 4 - Ginetes 0, Casa da Ribeira 4 - Fazendense 3, Boavista de São Mateus 3 - Clube Norte Crescente 3 e Atalhada 5 - Posto Santo 2.

O quadro da classificação geral está assim estabelecido (todas as equipas com 12 jogos):
1.º Matraquilhos 31 pontos,
2.º Clube Norte Crescente 28 pontos,
3.º Fazendense 21 pontos,
4.º Casa da Ribeira 17 pontos,
5.º Atalhada 15 pontos,
6.º Boavista de São Mateus 14 pontos,
7.º Posto Santo 6 pontos,
8.º Ginetes 5 pontos.

A 13.ª ronda (penúltima da primeira fase) está apontada para o próximo sábado, dia 18 de fevereiro, e reúne as pelejas

Ginetes - Boavista de São Mateus,
Fazendense - Matraquilhos,
Posto Santo - Casa da Ribeira
Atalhada - Clube Norte Crescente.

CAMPEONATO DA TERCEIRA

Conferimos os desfechos da 14.ª jornada do Campeonato da Ilha Terceira de Futsal, escalão de seniores masculinos:

Lusitânia 8 - Ladeira Grande 3,
Biscoitos 1 - Doze Ribeiras 2,
Porto Judeu 1 - São Brás 11,
São Sebastião 8 - União Sebastianense 1,
Agualva 7 - Porto Martins 1
União Praiense 1 - Barbarense 6.

Posicionamento vigente das equipas concorrentes (todas com 14 jogos):
1.º Lusitânia 35 pontos,
2.º Barbarense 33 pontos,
3.º Biscoitos 31 pontos,
4.º São Brás 29 pontos,
5.º União Praiense 27 pontos,
6.º São Sebastião 21 pontos,
7.º Agualva 19 pontos,
8.º Doze Ribeiras 14 pontos,
9.º Porto Martins 10 pontos,
10.º Porto Judeu 10 pontos,
11.º União Sebastianense 7 pontos,
12.º Ladeira Grande 6 pontos.

A 15.ª rodada efetua-se sábado com os desafios Porto Martins - Porto Judeu, Barbarense - Lusitânia, São Brás - União Praiense, Doze Ribeiras - União Sebastianense, Ladeira Grande - Biscoitos e Agualva - São Sebastião.

PRIMEIRA DIVISÃOParagem final na 12.ª jornada do Campeonato Nacional da Primeira Divisão de Futsal Feminino - Zona Sul:
Del Negro 2 - Sporting 3, Posto Santo 0 - Louriçal 7, Atlético Povoense 1 - Quinta dos Lombos 2 e Benfica 5 - Golpilheira 1.
Mapa classificativo das equipas concorrentes (todas com 12 jogos):
1.º Benfica 36 pontos, 2.º Sporting 33 pontos, 3.º Louriçal 21 pontos, 4.º Golpilheira 18 pontos, 5.º Atlético Povoense 12 pontos, 6.º Quinta dos Lombos 12 pontos, 7.º Del Negro 9 pontos, 8.º Posto Santo 3 pontos.
A 13.ª ronda (penúltima da primeira fase da magna prova) materializa-se sábado com os duelos Golpilheira - Posto Santo, Sporting - Benfica, Quinta dos Lombos - Del Negro e Atlético Povoense - Louriçal.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

JUVENIS - Matraquilhos campeão da Terceira de futsal

Fonte: Diário Insular | Desporto | Futsal | 02.FEV.2017

NO ESCALÃO ETÁRIO DE JUNIORES "B" (JUVENIS)


Matraquilhos campeão 
da Terceira de futsal


 MATRAQUILHOS soma por vitórias os jogos efetuados no campeonato de ilha

Equipa da Terra Chã garante almejado cetro pelo terceiro ano consecutivo. Percurso irrepreensível. Treinador Paulo Brito elogia atletas e clube.
Depois da conquista do Torneio de Abertura AFAH 2016/2017, a duas jornadas do final do campeonato, o Matraquilhos Futebol Clube é tricampeão da ilha Terceira em futsal, escalão de juniores "B" masculinos (juvenis).

Aqui ficam os resultados dos encontros que envolveram o emblema da freguesia da Terra Chã ao longo da magna prova, os quais, em boa verdade, denotam a clara superioridade perante a concorrência:

Barbarense 1 - Matraquilhos 11
Matraquilhos 5 - Posto Santo 2
Marítimo 4 - Matraquilhos 13
Matraquilhos 13 - Casa da Ribeira 2
Agualva 1 - Matraquilhos 8
Matraquilhos 10 - Ladeira Grande 0
Matraquilhos 21 - Barbarense 3
Posto Santo 2 - Matraquilhos 11
Matraquilhos 21 - Marítimo 1
Casa Ribeira 1 - Matraquilhos 12

Como referimos, faltam cumprir apenas duas jornadas (embates que envolvem o campeão): Matraquilhos - Agualva e Ladeira Grande - Matraquilhos.

TREINADOR RECONHECIDO 

Paulo Brito, treinador da equipa de juvenis do Matraquilhos FC, deixa elogios na hora da vitória:
"Quero agradecer a toda a estrutura do Matraquilhos. Desde o seu presidente, a todos os que colaboram no dia-a-dia para que esta máquina funcione. Ao presidente, porque é mais do que presidente, tendo em conta os inúmeros papéis que desempenha dentro do clube. E a ele o meu muito obrigado. Desejo também agradecer ao mister Nuno Vieira por todo o apoio que sempre deu e que de certa forma continuará a dar. Ao diretor José Manel, que tem sido uma peça importante e fundamental neste percurso e que muito tem ajudado. Ao meu diretor (Sr. João), que tem sido uma pessoa incansável em tudo o que faz e também pela forma e carinho como trata e apoia todos os jovens atletas. É uma peça essencial ao bom funcionamento do balneário".

O timoneiro matraquilhense não esquece, obviamente, os jogadores que orienta:

"Aqui fica também uma palavra de apreço e um bem-haja a todos os meus atletas pela forma como se dedicaram ao longo deste campeonato e encararam esta caminhada. Foram enormes, sabendo lutar e sofrer quando tal se afigurava necessário. A dedicação e a humildade sempre reinaram no seio do nosso balneário, gerando um sentimento de família".

"Fomos persistentes e sérios, semana após semana, para que fosse possível mais esta conquista. Tudo isto é fruto, acima de tudo, da atitude dos atletas, que trabalharam e lutaram para conquistar o tricampeonato. Fomos a melhor equipa e, por isso, justos vencedores. Parabéns a todos os meus atletas e mais uma vez obrigado", remata, visivelmente satisfeito e orgulhoso.

GRUPO DE TRABALHO 

Plantel: Henrique Borges, Gonçalo Dias, João Marques, Cristiano Simões, Rodrigo Ruel, Luís Duarte, Gonçalo Silva, Ricardo Oliveira, Ricardo Santos, Diogo Valacobra, Diogo Malhadinho e João Simão.

Treinador: Paulo Brito. Coordenador da Formação: Nuno Vieira.

Diretores: João Espínola e José Marques. Presidente: Paulo Vieira.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

MATRAQUILHOS bate (4-3) Norte Crescente

FONTE: DIÁRIO INSULAR | DESPORTO | FUTSAL | MATEUS ROCHA | 23.JAN.2017

GRANDE JOGO DE FUTSAL EM QUE A ABORDAGEM DO MATRAQUILHOS FOI DECISIVA


Antes morrer livres 
ue em paz sujeitos

 MATRAQUILHOS bate (4-3) Norte Crescente e assume liderança da Série Açores
Matraquilhos foi com tudo para cima do adversário, vencendo com mérito e audácia. Cenas impróprias para consumo após o apito final.
MATEUS ROCHA | di





Duelo intenso e altamente emotivo na Tomás de Borba, entre os dois primeiros da Segunda Divisão de Futsal - Série Açores, separados por apenas dois pontos. Em caso de triunfo o Matraquilhos assumia a liderança, ao passo que o Norte Crescente jogava com dois resultados: o empate, que deixava tudo na mesma, e a vitória, que praticamente arrumava com as contas.
Evidenciado coragem, determinação e autoconfiança, apoiado por uma claque incansável, o grémio da Terra Chã procurou desde o início assumir as despesas do encontro, pressionando um rival acomodado no processo defensivo e à espreita do erro adversário para chegar ao golo.

E, na verdade, embora com alguma dose de felicidade pelo meio, a estratégia de contenção do Norte Crescente produziu os efeitos pretendidos, pois Rui Lopes e Teixeira colocaram o marcador em 0-2.

Só que a equipa de Nuno Vieira deu sinais claros de evolução, personalidade e maturidade, não se deixando abater pelas circunstâncias. Reagiu de pronto, com Fábio Raposo a reduzir e Laurindo Mendonça a empatar.

Apenas um resultado servia as legítimas pretensões do Matraquilhos e, neste contexto, a equipa manteve a mesma postura no arranque da etapa complementar, recorrendo à força do coletivo para obstar as individualidades contrárias.

Percebia-se que o conjunto angrense estava na disposição de lutar até à última gota de suor para chegar ao topo da tabela e que, a cair, teria que ser de pé, não restando a mínima dúvida de que tudo tinha sido feito em busca do objetivo traçado.

Assim, foi com naturalidade que Fábio Raposo e Laurindo Mendonça bisaram, dando a volta ao texto. Claro que, em desvantagem (4-2), o Norte Crescente procurou inverter o rumo dos acontecimentos. Teixeira colocou o placard em 4-3. Os micaelenses procuravam o golo do empate e os terceirenses não descuravam a possibilidade de ampliar a contagem, o que originou situações de 2 para 1 e 3 para 2 que, contudo, não foram aproveitadas.

Terminado o encontro, e, porventura, ainda resquícios do que sucedeu no embate da primeira volta, as equipas envolveram-se em cenas lamentáveis, com agressões físicas e verbais, daí que, segundo conseguimos apurar, vários atletas, delegados ao jogo e o treinador do Matraquilhos tenham recebido ordem de expulsão.

RESULTADOS E CLASSIFICAÇÃO

A 10.ª jornada do Campeonato Nacional da Segunda Divisão de Futsal Masculino - Série Açores apresentou os seguintes resultados:
Matraquilhos 4 - Norte Crescente 3, Casa da Ribeira 5 - Boavista de São Mateus 5, Atalhada 7 - Ginetes 3 e Posto Santo 3 - Fazendense 4.
O quadro da classificação geral está assim estabelecido (todas as equipas com 10 jogos):
1.º Matraquilhos 25 pontos, 2.º Norte Crescente 24, 3.º Fazendense 20, 4.º Boavista de São Mateus 13, 5.º Atalhada 11, 6.º Casa da Ribeira 11, 7.º Posto Santo 6, 8.º Ginetes 5.
A 11.ª rodada, apontada para sábado, comporta as pelejas Ginetes - Casa da Ribeira, Fazendense - Atalhada, Boavista de São Mateus - Matraquilhos e Norte Crescente - Posto Santo.

SÉRIE AÇORES - 10.ª JORNADA
Complexo Desportivo Tomás de Borba.
Árbitros: Ruben Baeta (AF Leiria) e Wilson Soares (AF Aveiro).
Cronometrista: Carlos Eleutério (AF Angra do Heroísmo).

Ao intervalo
2-2

Matraquilhos 4
Nuno Cardoso (cap.)
Laurindo Mendonça
Mário Mendes
Carlos Rui
Tiago Poim
SUPLENTES
Mário Lima, José Bretão, Tércio Perdigão, Fábio Raposo, Piolho Ávila, José Andrade, Hélder Raimundo e Márcio Mendes.
TREINADOR
Nuno Vieira.

Norte Crescente 3
Diogo
Júnior
Teixeira
Fábio Melo
Tó (cap.)
SUPLENTES
Cachaça, Hugo, Fábio Pereira, Joãozinho, Banana, Rui Lopes e Mané.
TREINADOR
Delfim Pereira.

Disciplina: cartão amarelo para Tércio Perdigão (19m), Mário Mendes (24m), Laurindo Mendonça (32m); Fábio Pereira (9m) e Fábio Melo (26m). Cartão vermelho direto para Fábio Melo (30m).
Marcadores: Fábio Raposo (13 e 24m), Laurindo Mendonça (18 e 30m); Rui Lopes (9m) e Teixeira (13 e 32m).

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

"Saltou da infância para uma referência no futsal, no desporto e na sociedade"

PRESIDENTE PAULO VIEIRA QUER UM CLUBE CADA VEZ MAIS IMPORTANTE PARA A COMUNIDADE DA TERRA CHÃ


Matraquilhos comemora
dez anos de futsal



 PAULO VIEIRA diz ser urgente a construção de um pavilhão desportivo na Terra Chã


Passaram-se dez anos. Dez anos de um sonho que a dureza da realidade obrigou a assentar. Assentar em bases sólidas, mas também na certeza de que este é um barco que não navega apenas com ilusões. Claro que o que há em cada palavra e em cada memória e em cada projeto e em cada vitória é essa constante fantasia de menino. De meninos, que se calhar nunca sonharam ser o que são hoje. Que sonharam alto, mas se calhar não tão alto. E que continuam a sonhar... mais e ainda mais além.

Matraquilhos Futebol Clube. MFC. É uma história de meninos que cresceram e fizeram crescer um clube que foi realizado em pedaços de alcatrão. Bola sempre colada ao pé, como se este sonho fosse mais do que um sonho. Fosse um projeto de vida. Fundado a 24 de novembro de 2006, desabrochou muito antes, quando tudo não passava de uma brincadeira. Agora tornou-se sério. Tão sério que esse sonho é mesmo o que une todo este mundo matraquilhense.

É já um mundo, pois claro. Saltou da infância para uma referência no futsal, no desporto e na sociedade. Paulo Vieira é um desses meninos, que deu a mão a tantos outros, homens e mulheres, que o começaram a sonhar apenas agora, mas que já fazem desse sonho um sonho seu. Um sonho real. Dez anos de MFC é data solene. É um momento emotivo. O presidente não a esconde. A emoção. As palavras fogem-lhe, mas os olhos contam tudo. Há um brilho de orgulho. Mas percebemos, ali escondida, uma lágrima que era capaz de contar uma história. A sua história. A história de muitos. E a história que ainda está por vir...

SONHAR... MAS!

E é uma história bonita, mas a consciência, agora, é de gente grande. Paulo Vieira sabe os terrenos que pisa, os desafios que foram vergados, os obstáculos que ainda estão por vencer. "O Matraquilhos Futebol Clube é a prova de que os sonhos de criança se podem tornar realidade. A nossa origem é o que nos distingue. Claro que, atualmente, o clube é uma referência no futsal, mas também sabemos que o dirigismo desportivo não vive os melhores dias. São sempre os mesmos a manter as atividades dos clubes". Palavra de presidente. Palavras de que quem, agora, sabe sonhar com os pés bem assentes na terra.

Acabou-se o tempo das aventuras. Das ilusões. O futuro é uma preocupação, mesmo que tenha sido o passado o garante do que ainda está para vir. "Um clube não se faz sem pessoas". Paulo Vieira é um dos pilares do Matraquilhos desde sempre, mas não há certezas eternas. "Temos plena consciência do crescimento do MFC nestes dez anos, mas temos igualmente consciência que, dentro da nossa realidade, manter este nível de qualidade e exigência não é fácil. Os clubes são feitos de pessoas e ter todos os escalões de formação e uma equipa sénior a competir a nível nacional sempre com a 'casa as costas' é muito desgastante", foca Paulo Vieira.
Tempos houve em que tudo se organizava na sua própria casa. Documentos, inscrições, seguros, planeamentos, bolas, equipamentos... O clube já passou por um espaço na Canada de Belém, agora está noutro, mesmo no centro da Terra Chã. Não são as condições ideais, mas é fisicamente a sede do MFC. Porque a alma do clube foi construída ao longo desta década. "O Matraquilhos é um clube assente num grupo de pessoas que serevê nos valores deste projeto. Um projeto que só com muita dedicação tem sido possível manter. Não é uma garantia esta organização que agora existe. Temos essa consciência. Porque sem pessoas, o clube não anda, não funciona". Paulo Vieira sabe que não é eterno. Mas sabe, também, que o clube já criou raízes.

PREOCUPAÇÕES SOCIAIS

Desportivamente, diz que o percurso é "interessante". Os resultados falam por si. Mas Paulo Vieira garante que o Matraquilhos quer mais. Melhor: quer ser mais. "Nestes dez anos temos feito um excelente trabalho desportivo e socialnos diversos escalões, de formação e nos seniores, mas há sempre aspetos a melhorar. Sentimos que, através do futsal e através desta relação entre o desporto e os jovens, poderíamos contribuir de forma muito mais presente, muito mais interventiva e com resultados duradouros numa comunidade que, como se sabe, enfrenta vários problemas a nível social", explica Paulo Vieira.

A experiência que lhe deu o dirigismo e o conhecimento de causa são razões para falar sem receios: "Há um fraco envolvimento das Instituições da freguesia com a atividade do clube. Instituições que têm as mesmas preocupações. Sentimos que estamos isolados quando o projeto tem todas as características e condiçõespara ser acarinhado e integrado no Projeto da Terra Chã. Entendemos que o trabalho coletivo é o que melhores resultados produz e não percebemos que razões levam a que cada um ache que deve trabalhar sozinho quando os problemas que devemos enfrentar e tentar resolver são os mesmos. Mas não podemos esquecer o apoio dado pelo presidente da Junta de Freguesia, Sr. Rómulo Correia, que muito tem contribuído para que o MatraquilhosFutebol Clube possa dignificar o nome da Terra Chã a nível regional e nacional".

Aumentar o número de praticantes nos escalões etários mais baixos, com o intuito de detetar novos talentos que possam evoluir até à equipa sénior, é um dos objetivos do clube a curto prazo, mas o projeto do MFC quer ir mais longe. "Entendemos que o clube tem uma importância enorme para a comunidade onde está inserido, desde logo no apoio na educação social dos jovens. As características específicas da modalidade, quer pelo estabelecimento de regras, desafios e pela integração num grupo, quer pelo sentido de responsabilidade e disciplina, através da prossecução de objetivos individuais e coletivos, podem servir estes intuitos de educação social e para a cidadania, sem esquecer, claro, o desenvolvimento motor dos jovens através de uma prática desportiva adequada", explica Paulo Vieira.



 MFC completou uma década de existência


PAVILHÃO

Sonho maior passava pela construção de um pavilhão desportivo na freguesia da Terra Chã. Paulo Vieira conta-nos que esta foi uma promessa política em tempos, entretanto esquecida. O presidente do MFC afirma que, pela dimensão que o clube já atingiu e pelos patamares que já conseguiu transpor no futsal mesmo a nível nacional, a ausência desta infraestrutura é um óbice ao desenvolvimento desejado.

"A falta deum pavilhão desportivocondiciona toda a evolução que se pretende. Tendo em conda oprojeto de Requalificação do ConjuntoHabitacional da Terra-Chã, consideramos pertinente e oportuno conciliar desde já ahipótese de construção e em paraleloda infraestrutura em causa. Entendemos que possibilitaria não só uma melhoria contínua deste projeto, como o desenvolvimento social crescente e qualificadodos jovens desta comunidade", opina o líder matraquilhense.

"Queremos incentivar os jovens a praticar desporto, ensinando-lhes, ao mesmo tempo, valores importantes para o futuro. Sem um pavilhão, a verdade é que continuamos sempre com a casa às costas, não obstante a existência de um espaço que funciona como sede", atira, ainda, Paulo Vieira.

PERCURSO

O Matraquilhos iniciou a sua atividade desportiva em 2007, com 15 atletas federados. Atualmente conta com cerca de uma centena, nos vários escalões. "A juventude é a base que alicerça este projeto. O clube tem-se estabelecido, cada vez mais, como uma instituição de referência para os jovens desta comunidade, que enfrentam vários problemas sociais, evidentes e do conhecimento público. Já estamos na 4.ª edição do projeto 'Matraquilhos...Para Além do Futsal', um documento estratégico e onde identificamos problemas e possíveis soluções", frisa Paulo Vieira.

"Escolinhas Matraquilhos". Outro projeto em carteira. "Pretendemos fazer do futsal um meio de desenvolvimento multifacetado, na estruturação do comportamento motor e também na criação de hábitos de vida que fomentem a saúde. Consideramos a atuação do Matraquilhos como um verdadeiro meio de prevenção de problemas sociais, como é o caso da toxicodependência. Para o MFC, os escalões de formação são a aposta para o futuro. A ocupação dos tempos livres após horário escolar é também um dos nossos objetivos", reforça o presidente do MFC.

Ponto final numa conversa sobre assuntos que não fazem sonhar. Fazem pensar, refletir, tentar perceber, tentar melhorar. Futsal, vitórias, títulos... Temas importantes, que só são prioridade se o desporto for esse fator de moldagem para uma sociedade melhor. Caso contrário, é ganhar por ganhar. Paulo Vieira garante que essa não é a filosofia do Matraquilhos. Não é para isto e por isto que o clube nasceu. Nasceu de um sonho que continua a ser vivido. E fazer do seu mundo um mundo melhor continua a ser o sonho maior.